Sintam-nas...

domingo, julho 29, 2007

Philip Larkin - Deixemo-nos agora, meu amor: mas não



Foto de Bina Engel



Deixemo-nos agora, meu amor: mas não
seja amargo desastre. Houve no passado
muito luar a mais e auto-compaixão:
acabemos com isso; já como nunca é dado
agora ao sol audaz atravessar o céu
e nunca aos corações deram mais ganas
de serem livres contra mundos, florestas; eu
e tu não os detemos, nós somos as praganas
a ver o grão partir e é para outro uso.

E tem-se pena. Sempre se tem alguma.
Mas não demos às vidas laço escuso,
como barcos ao vento, de luz molhada a crista,
desferram do estuário e cada um lá ruma:
separam-se acenando e perdem-se de vista.



Plilip Larkin (Poeta Inglês, 1922-1985)

Sem comentários: