Sintam-nas...

quarta-feira, novembro 05, 2008

João Cabral do Nascimento - Cantiga



Deixa-te estar na minha vida
Como um navio sobre o mar.

Se o vento sopra e rasga as velas
E a noite é gélida e comprida
E a voz ecoa das procelas,
Deixa-te estar na minha vida.

Se erguem as ondas mãos de espuma
Aos céus, em cólera incontida,
E o ar se tolda e cresce a bruma,
Deixa-te estar na minha vida.

À praia, um dia, erma e esquecida,
Hei, com amor, de te levar.
Deixa-te estar na minha vida.
Como um navio sobre o mar.



João Cabral do Nascimento (Poeta português, 1887-1978)

4 comentários:

Marta Vasil disse...

Primeiro poema que leio deste autor. Obrigada por o ter publicado e por mo "fazer" ir descobrir

Bjs

MV

Tentativas Poemáticas disse...

Olá Susana
"Deixa-te estar na minha vida".
Este pedacinho do poema levou-me a pensar que a Susana foi a primeira pessoa a dar-me ânimo a prosseguir com o meu blogue. Porém "deixou de estar na minha vida".
Visito-a com frequência mas nunca mais nos contactámos.
Desejo que esteja tudo bem consigo.
Beijinho com ternura.
António

Maresia disse...

Há tanta coisa que gostaríamos que ficassem nas nossas vidas...

Anónimo disse...

http://www.youtube.com/watch?v=ads5pOrgHQ0